Escalabilidade de recursos: como o cloud computing auxilia essa questão?

escalabilidade-de-recursos-como-o-cloud-computing-auxilia-essa-questao.jpeg

A redução de custos é um dos principais motivos que levam as empresas a optarem pela utilização de cloud computing no lugar dos famosos data centers físicos.

Quando se escolhe a utilização da computação em nuvem, as organizações passam a ter uma escalabilidade de dados maior e despesas somente com o gerenciamento dos servidores ou das aplicações hospedadas neles.

No mesmo sentido, temos o sistema de informação. Startups e empresas que antes não conseguiam investir em softwares de gestão, atualmente, com a escalabilidade de dados, podem implantar sistemas com orçamentos reduzidos e conforme o tamanho do negócio.

Assim, com a escalabilidade de dados em nuvem, a hospedagem de infraestrutura começou a ser cobrada apenas pelo espaço dos servidores e pelos recursos utilizados pela companhia, como processador, memória e banda. O modelo de negócios mudou de compra de equipamentos de data center (Capex) para pagamento de mensalidade conforme a utilização de recursos (Opex).

A capacidade de escalar recursos rapidamente também é muito útil, especialmente quando se trata de implicações financeiras. Tanto as grandes como as pequenas empresas podem economizar dinheiro compartilhando um conjunto de recursos em nuvem pública, reduzindo custos de infraestrutura e garantindo economias em escala.

Para entender melhor o assunto e esclarecer suas dúvidas, continue a leitura deste post.

Banner E-book Data Center Virtual

Afinal, o que é escalabilidade de dados?

A escalabilidade de dados em nuvem é a capacidade de aumentar os recursos tecnológicos armazenados na nuvem conforme um determinado sistema de gestão.

Por exemplo, se a empresa inicia seu armazenamento com uma determinada quantidade de dados e seu negócio expande, ela tem a capacidade de aumentar o seu armazenamento de acordo com a sua necessidade.

Do mesmo modo, caso sejam necessárias novas funcionalidades ou novos módulos conforme o modelo de negócio for se atualizando, sofrendo alterações ou demandas, é possível, com a escalabilidade de recursos, adicionar mais processamento e memória sem a necessidade de se investir no desenvolvimento de um novo sistema.

Como o cloud computing ajuda no aumento da escalabilidade de dados?

cloud computing possibilita que recursos computacionais (CPU, memória, storage, firewall, etc.) sejam oferecidos a empresas que teriam que comprar e gerenciar servidores e equipamentos físicos, tendo o benefício de pagamento apenas pelos recursos utilizados e sem a necessidade de investir na aquisição de equipamentos caros, fazendo a contratação e pagamento como um serviço mensal.

Há diversos serviços escaláveis na nuvem, veja alguns exemplos:

  • Software-as-a-Service — SaaS;
  • Infrastructure-as-a-Service — IaaS;
  • Storage-as-a-Service — STaaS;
  • Platform-as-a-o Service — PaaS;
  • Security-as-a-Service — SECaaS;
  • Database-as-a-Service — DBaaS;
  • Data-as-a-Service — DaaS;
  • Test Environment-as-a-Service — TEaaS;
  • entre outros.

Alguns provedores oferecem nuvens públicas escaláveis, incluindo Amazon Web Services (AWS), Microsoft Azure e Google Cloud, mas também oferecem plataformas privadas em que somente a equipe da empresa tem permissão para acessar.

Há também o opção de plataformas híbridas que oferecem às empresas as vantagens da escalabilidade da nuvem, mas com o benefício adicional de encaixe com o hardware e a infraestrutura já existentes.

Por que investir em escalabilidade de dados em nuvem?

O motivo mais importante pelo qual a organização deve investir em computação em nuvem escalável é a flexibilidade.

As empresas podem reagir mais rapidamente às necessidades de mudança, assegurando que estejam operando nos níveis necessários para aproveitar plenamente qualquer situação.

Esse rápido nível de elasticidade funciona de ambos os modos, para que eles possam voltar rapidamente para seus tamanhos originais, se a necessidade de crescimento estiver invertida.

As atualizações de softwares com licenças perpétuas podem custar às empresas valores altíssimos. No entanto, com um software como serviço ou licenciamento em nuvem, essas atualizações já estão inclusas no valor do serviço.

A vantagem da computação em nuvem escalável é que a capacidade de crescer e expandir é constante. Também, não há necessidade de pagamento pela capacidade não utilizada.

Os sistemas de computação em nuvem escaláveis ​​se adaptam às necessidades exatas da empresa, de modo que não é preciso se preocupar em pagar pela capacidade de dados não utilizada. Assim, não há, nesse caso, desperdício de recursos.

Com muitas soluções de computação em nuvem, a empresa sabe exatamente o que está recebendo pelo seu investimento. É fácil monitorar as provisões de serviços, o que ajuda a prever os custos e os requisitos de recursos.

Outra grande vantagem é a elasticidade. Nos negócios, vale a pena ser ágil. A computação em nuvem escalável é, por sua própria natureza, flexível e elástica.

Ela pode se adaptar perfeitamente às necessidades. E, embora possa se ajustar a uma situação redimensionada, também deve poder aproveitar plenamente isso.

Quais são os tipos de escalabilidade de dados em nuvem?

A escalabilidade de dados pode ser de dois tipos: vertical ou horizontal.

A escalabilidade vertical é a possibilidade de aumentar a capacidade do hardware ou software existente, sem alterações no seu código, apenas adicionando recursos. A escalabilidade vertical é limitada pelo fato de que só se pode aumentar o tamanho do servidor.

Já a escalabilidade horizontal possibilita a capacidade de ampliação do tráfego de dados. É a possibilidade de conectar várias estruturas de hardware ou software, como servidores, para que funcionem como uma única unidade lógica. Nesse caso, há a alteração do código do servidor.

Cloud-Server-EVEO-336x280

Como funciona a distribuição de cargas entre servidores?

A distribuição de carga é dividida em duas partes. Um conjunto de balanceadores de carga é distribuído de forma global e coloca cargas de trabalho nos nós (máquinas), migrando-as também entre os nós, enquanto o outro conjunto é responsável por dividir recursos entre as cargas de trabalho dentro do nó.

Dentro dos limites oferecidos por regras de colocação, o balanceador de carga tenta equilibrar a carga em todos os nós. Os picos no consumo de recursos podem ser imprevisíveis, de modo que a igualdade de recursos não utilizados minimiza o risco de falta de carga.

A computação em nuvem torna fácil o consumo de serviços, e não há a necessidade de a empresa implantar um balanceador de carga, pois a configuração é executada em segundo plano de acordo com a arquitetura fornecida pela plataforma.

Algumas plataformas possuem recursos que permitem executar verificações periódicas em seus aplicativos e removê-los automaticamente a favor de balanceadores de carga, caso eles parem de funcionar corretamente.

Como a escalabilidade garante a estabilidade em picos de acesso?

Isso é possível graças a capacidade de upgrade de recursos, como memória e processador, de forma super ágil ou até mesmo automática. Em casos de picos inesperados, os recursos dos servidores são escalados para suportar a essa demanda e não deixar o ambiente fora do ar.

Os provedores de nuvem são extremamente confortáveis ​​para essa arquitetura de implantação e já dispõem de ferramentas para uso desde o primeiro dia.

Também não é preciso realizar alterações na forma como o software foi projetado. Basta adicionar mais RAM, CPU, espaço em disco e throughput da rede. Não são necessárias modificações no próprio aplicativo, apenas para as instâncias subjacentes e seu tamanho.

Sem dúvida, a escalabilidade é um dos maiores benefícios da computação em nuvem. Com ela, é possível reduzir custos, otimizar processos e aumentar a eficácia das atividades corporativas.

E aí, quer saber mais sobre a escalabilidade de dados? Siga nossos perfis no Facebook, no Linkedin e no Twitter e fique por dentro de todas as novidades!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>