Artigos

Datacenter

o-que-e-e-como-funciona-o-sddc-software-defined-data-center-.jpeg
Datacenter,

O que é e como funciona o SDDC (Software Defined Data Center) ?

0 comentários

As tecnologias de internet, software e hardware são aliadas cada vez mais fortes do mundo corporativo e seguem evoluindo a passos largos. Cada nova técnica oferece mais benefícios aos negócios e as empresas precisam incorporá-las rapidamente para não perderem a força competitiva. Nesse contexto, o SDDC deve ser a próxima tendência em tecnologia.

Se você ainda não conhece a novidade, terá a oportunidade de descobrir tudo sobre ela a partir de agora. Então, acomode-se em sua cadeira e boa leitura!

O que é SDDC?

SDDC é a sigla para “Software-Defined Data Center”, que significa “Data Center Definido por Software” em português. Nesse modelo de Data Center, toda a infraestrutura é virtualizada e entregue como serviço. Ou seja, por meio de um software específico é possível separar a infraestrutura de hardwares em blocos para uso próprio ou fornecimento dos recursos e capacidades para diversos usuários simultaneamente.

Na verdade, trata-se da combinação de outras tecnologias, como SDN (Software-Defined Networking — Rede Definida por Software), SDS (Software-Defined Storage — Armazenamento Definido por Software) e SDC (Software-Defined Computing — computação definida por software), aliados às técnicas de gerenciamento de tráfego, gerenciamento de cargas de trabalho e gerenciamento de dados.

Como o método funciona?

No SDDC, quando os componentes da infraestrutura de Data Center são separados e oferecidos por meio de um software, tudo acontece de forma automatizada e orientada por regras específicas. Isso quer dizer que os recursos de rede, armazenamento, capacidade de processamento, segurança e disponibilidade podem ser usados ou vendidos separadamente e de acordo com a demanda de cada usuário.

A tecnologia de virtualização passa a ser controlada por um sistema, diminuindo a carga de trabalho no setor de TI, bem como a complexidade, com uma abordagem programática. Sendo assim, em vez de montar uma infraestrutura própria, a empresa usuária contrata os serviços via nuvem.

Os principais componentes do SDDC são os elementos de rede definida por software (SDN), armazenamento definido por software (SDS) e máquinas virtuais (servidores dedicados e cloud). No processo, podem ser utilizadas diferentes plataformas de software — fechadas (proprietárias) ou abertas (open source)  —, como o OpenStack, para unir os componentes de forma centralizada e agregar controle com uma interface visual agradável e uma API para necessidades mais complexas.

Como ele impacta os negócios?

O SDDC elimina a preocupação dos gestores em relação aos pontos únicos de falha. Além disso, a facilidade no controle dos componentes da infraestrutura virtual e a alta disponibilidade entregue trazem um novo padrão aos serviços de TI oferecidos, reduzindo o esforço necessário para a gestão da estratégia de virtualização.

Por exemplo: uma empresa que possui uma operação multiservidor, com administradores de rede, profissionais responsáveis por hardwares, gerenciadores de sistema operacional e softwares, podem enxugar a equipe de TI e torná-la mais homogênea com o SDDC, pois a carga de trabalho é reduzida e os recursos são melhor aproveitados.

Como Infraestrutura como Serviço (IaaS — Infrastructure as a Service), há ainda a grande vantagem de se poder montar o modelo ideal, que se encaixe no budget de qualquer empresa, sem que se abra mão de componentes importantes para a topologia. Com a virtualização fazendo parte de todos os componentes do data center, fica viável iniciar um projeto bem estruturado e completo, a um custo reduzido, e com a possibilidade de escalar rapidamente na medida que o negócio se expande.

Banner E-book Data Center Virtual

Que vantagens e benefícios oferece?

Um dos maiores benefícios oferecidos pelo SDDC é a forma como ele pode ser estruturado e controlado. Como os recursos são gerenciados por software, as conexões físicas e os componentes de hardware não precisam mais ser fisicamente manipulados para implantar mudanças. Mas não é só isso. Descubra a partir de agora mais algumas das principais vantagens com a implantação do SDDC no negócio.

Aumenta a velocidade de entrega dos serviços

As cargas de trabalho mais complexas ficam simplificadas com o SDDC e passam a ser instaladas de maneira mais rápida e programática, o que eleva a agilidade e os níveis de flexibilidade da infraestrutura. Os aplicativos corporativos tradicionais se tornam compatíveis e a empresa contratante ganha maiores taxas de desempenho e disponibilidade enquanto reduz riscos e custos nas operações.

Oferece maior eficiência e inovação

O Software-Defined Data Center representa o que há de mais novo em tecnologias de formação para data centers. A combinação de vários recursos, via cloud, proporcionou o avanço dessa metodologia, que, hoje, é capaz de aprimorar os processos de TI, entregar alto desempenho, exigir menos tempo e esforço gasto com tarefas de montagem, testes, monitoramento e controle. Representa um estágio evolutivo para os negócios que dependem de tecnologia.

Agrega valor a infraestrutura

O SDDC agrega valor aos serviços de TI, superando ambientes virtuais clássicos, como o VPS (Virtual Private Server) e o cloud server, pois permite uma aplicação mais avançada, com personalização em todas as camadas. O método proporciona resultados reais e mais rápidos às empresas contratantes.

Automatiza processos

O uso de software para planejar, provisionar, testar, implantar e gerenciar os recursos, possibilita autoprovisionar os serviços sob demanda para cada cliente. Isso significa dar agilidade à montagem, configuração e introdução de serviços, reduzindo custos operacionais com processos que envolvem tarefas manuais dispendiosas.

Economiza energia

O método SDDC consome menos energia e é favorável a sustentabilidade, pois os data centers podem usar economia de escala, implantando componentes de hardware extremamente densos e aprimorados para um consumo de energia sob demanda. Este é um fator pouco conhecido, mas muitas vezes, apenas o gasto com energia de um parque de TI superdimensionado e antigo, acaba compensando o custo de se montar, ou contratar recursos de um SDDC como serviço.

Melhora o ROI

O retorno do investimento (ROI — Return On Investiment) é assegurado pelo baixo custo de aquisição (CAPEX — Capital Expenditure) e redução das despesas operacionais (OPEX — Operational Expenditure), além da capacitação dos clientes para obterem maior produtividade. Considerando-se ainda o modelo de infraestrutura como Serviço (IaaS — Infrastructure as a Service) o CAPEX se torna nulo para a empresa contratante, transformando tudo em um OPEX que aliado aos outros benefícios, pode se tornar uma economia competitiva para o negócio.

Servidor Dedicado EVEO

Quais são as etapas de implantação?

O processo é transitório e depende, primeiramente, de uma avaliação de todos os componentes que formam a arquitetura atual. Isso inclui hardwares (routers, switches, servidores e storages) e softwares de implantação lógica para agregar conectividade e intercomunicação.

O próximo passo envolve a escolha de um software para gerenciar o SDDC com eficiência. Ele deve atender os requisitos entregues por cada ferramenta e ter o custo de licenciamento analisado. Depois, com a capacidade de processamento definida, lógica de rede configurada e software capaz de atender ao modelo proposto, a empresa estará apta a usar a metodologia.

Por que contratar o SDDC na EVEO?

Algumas pessoas ainda não conhecem, mas a EVEO é pioneira no Brasil em uma das mais consagradas tecnologias de SDDC: o OpenStack. A empresa possui um grande know how em desenvolver soluções tecnológicas, tem um bom nível de maturidade no mercado de TI, é focada em inovação e, hoje, entrega soluções adequadas às necessidades dos clientes.

E não é só isso, a EVEO oferece alto desempenho, com uma excelente taxa de disponibilidade, suporte em português em tempo integral, servidores localizados no Brasil e valor bastante competitivo, com impostos inclusos. Lembre-se, é sempre importante colocar na balança, ao comparar serviços oferecidos por empresas estrangeiras, fatores como: variações cambiais, oscilações de uso de recursos por hora, pagamentos de impostos sobre importação de serviço ou o passivo de risco. Com a EVEO, o contratante sabe exatamente o que está contratando e quanto isso vai custar.

Como pode ver, o SDDC é uma oportunidade para alavancar os resultados operacionais e agregar vantagem competitiva à empresa. Porém, deve ser estruturado por quem realmente entende do assunto, e nós estamos aqui para isso!

Pronto para começar? Entre em contato com a EVEO agora mesmo e deixe-nos ajudar com o projeto!

armazenamento-definido-por-software-o-que-e-e-para-que-serve.jpeg
Datacenter,

Armazenamento definido por software: o que é e para que serve

4 comentários

Com o objetivo de entregar um serviço de excelência, um data center deve trabalhar sobre uma arquitetura flexível, escalável e econômica. O armazenamento definido por software é uma tecnologia que surgiu de modo a facilitar e agilizar o processo de movimentação de dados e contribuir com esse objetivo.

Com a crescente utilização de tecnologias como computação na nuvem, big data e internet das coisas, há também um enorme aumento no volume de dados. Por isso, disponibilidade e alto desempenho também são pré-requisitos para que as aplicações funcionem com agilidade.

Mostraremos a seguir, de que maneira essa tecnologia pode contribuir para otimizar a administração e utilização de recursos de maneira eficiente. Acompanhe!

Entenda o que é armazenamento definido por software

O armazenamento definido por software (SDS – Software Defined Storage) é parte de um contexto chamado convergência, no qual processamento de dados, armazenamento e redes são virtualizados e agrupados em serviços controlados por software. Ou seja, cada um desses componentes tem sua interface de controle, no caso do armazenamento (storage), ela é chamada SDS.

Assim, o SDS é uma camada de software instalada em uma infraestrutura de servidores, com o objetivo de eliminar a necessidade de configurações manuais entre o hardware e a entrega de serviços. Dessa maneira, o controle sobre os recursos são dissociados do hardware físico, criando assim a abstração. Com isso, há uma maior flexibilidade e melhor aproveitamento do espaço para armazenamento, que pode ser ajustado conforme a demanda do negócio.

O SDS pode ser instalado em qualquer servidor com padrão de arquitetura x86, pois toda sua inteligência fica na camada do software, sendo assim, o hardware necessário deixa de ser exclusivo de um modelo ou fabricante com software proprietário, podendo ser considerado uma commodity, pois não há a necessidade de um grande valor agregado. Essa característica é muito importante, considerando-se que custo é um fator cada vez mais relevante.

Por se tratar de um software bastante flexível, é possível consolidar vários dispositivos de armazenamento no mesmo servidor que hospeda as máquinas virtuais da aplicação, criando a chamada hiperconvergência.

Saiba como funciona o SDS

As principais funcionalidades de um SDS podem ser agrupadas em duas camadas. Na camada de plano de controle é feito o gerenciamento dos recursos virtualizados. Nela, é possível gerenciar, controlar e acessar os dados armazenados através de funções como:

  • gerenciamentos dos volumes por projeto;
  • políticas de segurança e controle de acesso;
  • interfaces de comunicação;
  • gerenciamento de backups.

A segunda camada, chamada de plano de dados, é responsável pelo armazenamento dos dados nos dispositivos. Nela são gerenciadas as funções de infraestrutura, tais como: virtualização, replicação, criptografia, indexação, etc.

O modo de funcionamento do SDS é similar à virtualização. A principal inteligência está na camada de software, proporcionando uma maior flexibilidade na administração dos recursos. Isso porque, o software permite que todo o hardware seja visto como um grande volume que pode ser distribuído e configurado conforme a necessidade de cada aplicação.

Banner E-book Data Center Virtual

Veja as principais características dessa tecnologia

O armazenamento definido por software oferece diversos recursos.

Abstração

O SDS trabalha sobre uma camada de abstração. Portanto, não é preciso configurar o hardware fisicamente para definir o espaço a ser utilizado, isso é feito pela camada de software.

Virtualização

Por meio da virtualização, é possível reunir diversos tipos de dispositivos, como discos, fitas etc., e apresentá-lo como uma unidade lógica gerenciada pelo sistema.

Automação

O SDS automatiza a configuração de recursos de armazenamento, o que facilita o trabalho do administrador.

Escalabilidade

Todos os recursos de software e hardware são apresentados como um grande pool de serviços de armazenamento alocáveis. Assim, quando a aplicação solicita um serviço, ele é composto, dinamicamente e precisamente, com capacidade, performance e proteção desejada pela aplicação.

Flexibilidade

O SDS pode trabalhar com armazenamento interno, externo ou cloud. Dessa maneira, a empresa pode integrar seu ambiente existente ao sistema, de acordo com a tecnologia desses dispositivos, que devem seguir o padrão x86.

Scale-out

Oferecer suporte a big data e analytics é fundamental em SDS. Por isso, o sistema permite o dimensionamento horizontal do ambiente, de modo que as requisições sejam direcionadas a atender às necessidades do sistema.

Contêineres

Por meio de contêineres, os recursos são precisamente adaptados e ajustados conforme a necessidade da aplicação. Com isso, as aplicações vizinhas não são afetadas.

Entenda o que pode ser feito com SDS

O SDS, assim como qualquer outro dispositivo de storage de mercado, pode ser utilizado em diversos casos.

Computação na nuvem

O SDS pode ser utilizado tanto por provedores de nuvem pública, com o intuito de oferecer mais benefícios em seus produtos de armazenamento, como por empresas que possuem nuvem privada. O seu funcionamento permite ainda a sincronização dos dados, facilitando o uso conjunto dos dois conceitos de comutação em nuvem (a chamada nuvem híbrida).

Virtualização de desktops

Na virtualização de desktops, é feita uma imagem do sistema operacional e aplicativos instalados na máquina que, então, é disponibilizada ao usuário virtualmente. Dessa maneira, o desktop pode ser acessado em qualquer lugar e de qualquer dispositivo.

Big data

O sistema facilita a criação e configuração de um ambiente para armazenamento e análise dos dados de maneira ágil e econômica. Isso facilita o trabalho com big data, já que essa tecnologia movimenta um grande volume de dados.

Internet das coisas

internet das coisas utiliza diversos aplicativos que movimentam muitos dados. Por isso, o SDS é uma opção de armazenamento com preços mais acessíveis, o que viabiliza o uso dessa tecnologia.

Servidor Dedicado EVEO

Conheça os benefícios de sua utilização

Reduzir custos

Uma das grandes vantagens do SDS é a economia. Por utilizarem hardware padrão x86, os custos de utilização são mais acessíveis. Outro fator que contribui na redução de gastos são os recursos de automação, já que os administradores do sistema não gastam muito tempo em atividades operacionais. Além disso, os recursos de otimização economizam espaço em disco, o que também ajuda a diminuir custos.

Simplificar o gerenciamento do armazenamento

Com o crescimento exponencial de dados, simplificar a administração dos recursos de armazenamento é um grande benefício. Isso porque, o SDS oferece uma forma prática, simples e automática de gerenciamento.

Tipos de armazenamento

A flexibilidade do software, permite que sejam criados vários tipos de armazenamento. Essa personalização é estratégica em muitos casos, pois existem três fatores relevantes para a escolha da melhor solução de armazenamento: a performance, o volume de dados e o custo. Diante desses fatores, os tipos mais comuns de armazenamento são:

  • Performance (all flash);
  • Standard;
  • Enterprise;
  • Capacity;
  • Backup.

Entenda os tipos de SDS

Ao optar por utilizar o SDS é preciso escolher a melhor maneira de fazer isso. Empresas com uma grande variedade de hardwares ligados podem optar por integrá-lo a uma solução SDS e utilizar somente o software. Já empresas que também precisam de armazenamento, é preciso uma solução conjunta de hardware e software.

Há também a opção de utilizar o SDS na infraestrutura hiperconvergente, que é opção de administrar o processamento, armazenamento e redes em um único sistema. Por fim, deve-se optar pelo modelo de licenciamento, já que existem no mercado softwares pagos ou open source.

Assim, o armazenamento definido por software é uma tecnologia que proporciona inúmeros benefícios ao negócio. Além disso, é possível utilizá-la de diversas maneiras e com um custo bem atrativo.

Agora que você já conhece todos os benefícios de utilizar o SDS, compartilhe com seus contatos nas suas redes sociais! Pode ser que alguém precise conhecer essa tecnologia também.